29 de jun de 2008

Caleidoscópio

Quero velhas verdades
Estou farta de verdades novas
Quero novas mentiras!
Estou farta de mentiras velhas

Quero um pensamento vagabundo
voando pelo céu
criando pelo mundo

Quero todas as letras
De A a Z
Para fazer novas histórias
Criar novos enrredos
Sambar até me perder

Quero o insignificante
pedaços de eu, tu, nós
quero o que está escondido
dentro da casquinha de noz

21 de jun de 2008

Noite 351


C O M P L E T E
...em cujo fundo existe um jardim, e no jardim um relógio de sol e depois do relógio uma figueira e depois da figueira uma fonte, e debaixo da fonte....
-__________
-__________
-__________
-__________
....

14 de jun de 2008

Silêncio


Ambos se contemplam em silêncio, sem poder nenhum deles esconder o espanto que lhe causavam a visão do adversário:
"Príamo, o velho Dardânia, o vulto de Aquiles admira,
sua imponência e estatura, que um deus imortal parecia.
Não menor pasmo de Aquiles se apossa ante a vista de Príamo, vendo-lhe a nobre aparência e escutando-lhe os nobres conceitos."
(v. 629-32) Ilíada.
Ficam para trás os agitados movimentos, os gritos estridentes, os berros alarmantes, os grandes alaridos, os berros estonteantes.
Ficam para trás as bigas e os cavalos, as carroças e os corcéis, os combates e os afagos, ficam para trás os lauréis.
Ficam para trás os acordes da sinfonia, os alaridos, as ventanias, as guerras, e todo o fugaz movimento... agora as discordâncias se harmonizam em acordes serenos, num eterno momento.
"Se queres a paz, prepara-te para a guerra, se não queres nada, descanse em paz."

Bloomsday ou "Sims"

háaa minha amiga que não passava de um pronome e descobriu-se agora em árabe IlumiNAda...
Veja mais, ontem foi sexta-feira 13, mas sexta-feira!! né Ana Elize Frantz!!!! E Segunda-feira?, dia 16....ora, ora Bloommmmmsssday...
"(...) hoje quero dizer não não sexta-feira é dia de má sorte primeiro eu quero arranjar a casa um puco a poeira se deposita eu penso enquanto eu durmo então a gente pode fazer música (...) Deus depois desse beijo longo eu quase perdi minha respiração sim ele disse que eu era uma flor da montanha sim assim a gente é uma flor todo o corpo de uma mulher sim essa foi uma coisa verdadeira que ele disse na vida dele e o sol brilha para você hoje isso foi por que eu gostei dele porque eu via que ele entendia ou sentia o que é uma mulher eu sabia que eu podia dar um jeito nele e eu dei a ele todo o prazer que eu podia levando ele até que ele me pediu pra dizer sim (...) sim quando eu punha a rosa em minha cabeleira como as garotas andaluzas costumavam ou devo usar uma vermelha sim e como ele me beijou contra a muralha mourisca e eu pensei tão bem a ele como a outro e então eu pedi a ele com os meus olhos para pedir de novo sim e então ele me pediu quereria eu sim dizer sim minha flor da montanha e primeiro eu pus os meus braços em torno dele sim e eu puxei ele pra baixo pra mim para ele poder sentir meus peitos todo perfume sim o coração dele batia como louco e sim eu disse sim eu quero Sims." Trieste - Zurique - Paris, 1914-1921. Ulisses. James Joyce

*******************
"O ar gélido do quarto fê-lo estremecer. Deslizou cautelosa¬mente sob as cobertas e acomodou-se ao lado da esposa. Um por um, estavam todos se transformando em sombras. Seria melhor precipitar-se na morte no apogeu de uma paixão, do que extinguir e murchar lentamente com a velhice. Pensou como aquela mulher, adormecida a seu lado, ocultara por tantos anos a imagem do seu amado a afirmar-lhe que não queria viver. Pranto generoso invadiu-lhe os olhos. Nunca se sentira assim por uma mulher, mas sabia que isto era amor. As lágrimas cresce¬ram nos olhos e ele imaginou ver na penumbra do quarto um jovem parado sob uma árvore encharcada. Outras formas pairavam. Sua alma acercava-se da região habitada pela vasta legião dos mortos. Pressentia, mas não podia apreender suas existências vacilantes e incertas. Ele próprio dissolvia-se num mundo cinzento e incorpóreo. O mundo real, sólido, em que os mortos tinham vivido e edificado, desagregava-se. Leves batidas fizeram-no voltar-se para a janela. A neve tornava a cair. Olhou sonolento os flocos prateados e negros, que despencavam obliquamente contra a luz do lampião. Era tempo de preparar a viagem para o oeste. Sim, os jornais estavam certos: a neve cobria toda a Irlanda. Caía em todas as partes da sombria planície central, nas montanhas sem árvores, tombando mansa sobre o Bog of Allen e, mais para o oeste, nas ondas escuras do cemitério abandonado onde jazia Michael Furey. Amontoava-se nas cruzes tortas e nas lápides, nas hastes do pequeno portão, nos espinhos estéreis. Sua alma desmaiava lentamente, enquanto ele ouvia a neve cair suave através do universo, cair brandamente - como se lhes descesse a hora final - sobre todos os vivos e todos os mortos." Joyce, James. Os mortos.(Tradução de Hamilton Trevisan)

13 de jun de 2008

Casquinha de noz da Nita postando

1 Telêmaco / 08h00 / Torre de Martello / Stephen toma o café
2 Nestor / 10h00 / Escola do sr. Deasy / Stephen leciona na escola
3 Proteu / 11h00 / Praia de Sandymount / Stephen passeia na praia
4 Calipso / 08h00 / Apartamento dos Bloom / Bloom faz o café da manhã
5 Lotófagos / 10h00 / Agência dos correios / Bloom via buscar uma carta
6 Hades / 11h00 / Cemitério Bloom vai ao cemitério
7 Éolo / 12h00 / Redação de um jornal / Bloom e Stephen se cruzam
8 Lestrigões / 13h00 / Ruas ao sul da coluna Nelson / Bloom pensa no almoço
9 Cila e Caribdes / 14h00 / Biblioteca Nacional / Bloom e Stephen na Biblioteca
10Escolhos / 15h00 / Labirinto de ruas Sincronicidade
11Sereias / 16h00 / Restaurante do Hotel Ormont / Bloom imagina como Molly o trai
12Os ciclopes / 17h00 / Pub de Barny Kiernan / Briga
13Nausica / 20h00 / Praia na baía de Dublin / Três jovens mulheres na praia
14As vacas de Hélio /22h00 / Maternidade / Conhecida de Bloom na maternidade
15Circe / 23h00 / Bordel /Sensações alucinatórias e metamorfoses
16Eumeu / 24h00 / Zona de prostituição / Bloom preocupa-se com Stephen
17Ítaca /02h00 / Casa de Bloom / Bloom e Stephen tomam chocolate
18Penélope / 03h00 / Dormitório de Bloom / Fluxo de pensamento sem fim... "Sim": "...sim eu disse sim eu quero Sims". Extraído do livro Livros de Cristiane Zschirnt, modificado pela casquinha de noz Nita.

7 de jun de 2008

Não ser

Quem observa? Quem vê??? Quem sou eu???

Busca de significante potente


A vida é muito da boa, evitando o prazer me protejo da vida. Insegurança? Impotência? Medo? Na boa!!! Desamarrarei o nó, liberarei minhas angústias, libertarei meu castelo, derrubarei minha janela, arrancarei todos os marcos, não ficará pedra sobre pedra, nem pó sobre pó.

5 de jun de 2008

Jéssica da Silva ! Presente.


Descontente - Por último viu o bater das asas de uma borboleta, que foi voar em uma flor, que voou até uma cor...que coloriu os olhos da menina... Da menina triste que neste dia chorou, chorou porque tinham batido nela, chorou porque tinha lágrimas dentro dela, chorou porque já não sabia sorrir...chorou colorido, igual a borboleta que continuava pousando de flor em flor.

4 de jun de 2008

Leituras Sobre Dados ou Sobre Livros e Leituras

-Dois anos de Encontros Sobre Livros e Leituras por Alex Corrêa.
Para marcar os dois anos dos Encontros Sobre Livros e Leituras foi realizado um encontro, no dia 7, na Livraria e Cafeteria Iluminura. O tema debatido foi "O que li nas férias?" A próxima reunião será no dia 21, no mesmo local, a partir das 14h30min (...). Fonte: Riovale Jornal, Sexta-Feira, Santa Cruz do Sul, 13 de março de 2009.
07/03/2009.
-
-
-
-
-Maio de 1968 03/07/08 "é proibido proibir".
-A sentinela - Arthur Charles Clarke ?/?/2008 "Desculpe, também sou estranha aqui".
CLARKE, Arthur Charles. A sentinela. In: CLARKE, Arthur Charles. Mundos perdidos de 2001. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1972. p. 22-33.
-Férias “O que li nas férias” - ? ?/?/2007 ? Espaço seu, espaço nosso.
-Poemas - Florbela Espanca 08/12/2007 Ser poeta é ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...é condensar o mundo num só grito!
http://pt.wikipedia.org/wiki/Florbela_Espanca
-Guapear com frangos - Sergio Faraco ?/?/2007
"Era a lei, pensava, e pelear com aqueles frangos negros não ia mudar coisa alguma. E era a mesma lei que reinava em sua vida e na vida de seus conhecidos. Todo mundo se ajudava, claro, mas quando..."
Leia o texto completo em:
http://www.e-design.com.br/sergiofaraco/guapear.htm
-Contos - Mia Couto ?/?/2007
https://evs.unisc.br/exchweb/bin/redir.asp?URL=http://www.lumiarte.com/luardeoutono/miacouto.html
-O retrato oval - Edgar Allan Poe ?/?/2007 ? 03/07/08
http://br.geocities.com/edterranova/poe.htm
Assente a pincelada e feito o retoque, por um momento o pintor ficou extasiado perante a obra que completara; mas de seguida, enquanto ainda a estava contemplando, começou a tremer e pôs-se muito pálido, e apavorado, gritando em voz alta 'Isto é na verdade a própria vida!'
-O direito dos miseráveis - Deonísio da Silva 14/0... 03/07/08
" Você me disse esses dias que anda muito confusa ultimamente. Sabe por quê? Porque você olha o mundo a partir dos teus conflitos interiores. Eu acho que você deve olhar os teus conflitos interiores a partir do mundo. Você anda confusa, desorganizada, mal-amada – porque a ordem social que te cerca é injusta e por isso te deforma. Você vê: a vida é pelo inverso. A desordem que está no teu coração está no coração do mundo, no coração de todos. Não existe ninguém imune à ordem injusta que está estabelecida. Embora não queira te doutrinar, espero que se um dia você for membro da ONU vote contra as ditaduras e faça o maior espalhafato, a maior bagunça para que ouçam tua voz. Não me esqueça, cresça, amadureça e apareça. Sílvio.” (De uma carta de Sílvio a Doroti, pouco depois de ela ter ido embora.). Silva, Deonísio da. O direito dos miseráveis
-O livro, a revolução legítima - Annibal Augusto Gama 03/07/08
Na Festa do Livro...
-Funes, o Memorioso - Jorge Luis Borges ?/?/2007

-O ato gratuito - Clarice Lispector 18/08/2007 ?
Muitas vezes
-On the road - Jack Kerouac 14/07/2007
-Cinco minicontos - Kafka 28/07/2007
-On the road - Jack Kerouac 14/07/2007
-O caminho para a liberdade - Carl Sagan 0/0/2007
"Havia uma regra muito reveladora: os escravos deviam continuar analfabetos. No Sul antes da guerra civil, os brancos que ensinassem um escravo a ler eram severamente punidos. “Para criar um escravo satisfeito”, escreveu Bailey mais tarde, “é necessário criá-lo estúpido. É necessário obscurecer a sua visão moral e intelectual, e, na medida do possível, aniquilar o poder da razão”. É por isso que os senhores devem controlar o que os escravos ouvem, vêem e pensam. É por isso que a leitura e o pensamento crítico são perigosos, na verdade subversivos, numa sociedade injusta. “Um preto deve saber apenas obedecer ao seu senhor – deve cumprir as ordens. O conhecimento estragaria o melhor preto do mundo. Se você ensinar esse preto a ler, não poderemos ficar com ele. Isso o inutilizaria para sempre como escravo.”
Frederick Douglass ensinou que a alfabetização é o caminho da escravidão para a liberdade. Há muitos tipos de escravidão e muitos tipos de liberdade. Mas a alfabetização ainda é o caminho".
-Os mortos - James Joyce 16/06/2007 " Sua alma desmaiava lentamente, enquanto ele ouvia a neve cair suave através do universo, cair brandamente - como se lhes descesse a hora final - sobre todos os vivos e todos os mortos. Joyce, James. Os mortos.(Tradução de Hamilton Trevisan)
-Eles amam livros e leituras, Riovale Jornal, Sexta-feira, 22/06/2007
Reunidos em grupos, formam uma categoria rara: a dos leitores
Luís Fernando Ferreira
O Brasil é um país que lê pouco. Mas a cada 15 dias, um grupo de amigos reserva a tarde de sábado para se reunir na Livraria e Cafeteria Iluminura....
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008
- Encontro reunirá pessoas com deficiência na Feira do Livro ?/06/2007
Para debater as especificidades do acesso aos livros e as formas de leitura de pessoas surdas, cegas, deficientes físicos, entre outras, será realizado o 1º Encontro "Livros, Leituras e Pessoas com Deficiência". Aberto a todos os interessados, o evento estará integrado a 20ª Feira do Livro de Santa Cruz do Sul, ocorrendo no palco montado na Praça Getúlio Vargas, dia 7 de junho (feriado), às 16h30min.A iniciativa é do grupo Sobre Livros e Leituras, tendo o apoio dos organizadores da Feira e de entidades santa-cruzenses vinculadas às pessoas com deficiência, incluindo a Pró-Reitoria de Extensão e Relações Comunitárias da Unisc.Constatando-se a falta de reflexão e mesmo da preocupação com particularidades e necessidades especiais, o Sobre Livros e Leituras desencadeou uma mobilização que pudesse se desenvolver ainda durante a 20ª edição da Feira.Entre as questões que deverão ser abordadas no encontro, estarão a locomoção de cadeirantes nos espaços da Feira e em bibliotecas da cidade; as possíveis interações entre literatura infantil e crianças surdas e cegas (hora do conto, teatro, atividades lúdicas, acesso a livros, etc.), a publicação de livros em braile e em sign writing (sistema de registro gráfico usado para surdos), etc.
Fonte: 06/06/2007 - 16:45
Postado por Sobre livros e leituras às 20:33 0 comentários
-Soltando o verbo sobre livros e leituras 01/06/2007
Programa de Rádio.
-Graffiti - Julio Cortázar 26/05/2007
"Na cidade já não se sabia mais de que lado estava verdadeiramente o medo; quem sabe por isso o divertia dominar o seu e, de quando em quando, escolher o lugar e a hora propícios para fazer um desenho."
-Cortejo do divino - Nélida Pinõn 12/05/2007
Leitura sugerida pelo integrante Luis Fernando Ferreira.
Submetam a mulher à expiação. Ele dizia soluçando. A cela um pouco maior do que o corpo. Amarraram seus pulsos e lhe ensinaram que devia manter-se ajoelhado. Até que confessasse:– Sim, é amor, e vocês não sabem. (...)
Até que o prefeito disse:– Eles venceram e não os seguiremos mais. Se quiserem, podemos mesmo matá-los.A proposta foi recusada. Aquele amor ainda haveria de se esgotar um dia, defendiam eles agora todo estigma. Atrás deles, o cortejo visitava ruas, campos, caçando borboletas, maravilhas. O sentimento do divino. Embora o homem e a mulher vivessem na escuridão. Cortejo do divino - Nélida Pinõn (do livro Sala de armas)
http://www.nelidapinon.com.br/obra.php
-O mistério dos hippies desaparecidos - Moacyr Scliar 12/05/2007
"Tem apenas um temor, este homem. É que um dos hippies, de uma hora para outra, cortou o cabelo, passou a tomar banho - e usa agora um decente terno cinza. Por enquanto ainda não se manifestou; mas trata-se - o homem de cinza está convencido disso - de um autêntico contestador." Scliar, Moacyr. O mistério dos hippies desaparecidos.
http://www.casacinepoa.com.br/index.php?arquivo=filmes_mais&id=223&pagina=65&id_sub=24&id_categoria=22&hash=12345678901234567890123456789012#00
-Amor com os LIVROS Gazeta do Sul, Quarta-feira, 09/05/2007
http://www.gazetadosul.com.br/default.php?arquivo=_noticia.php&intIdConteudo=74689&intIdEdicao=1154
-As palavras andantes - Eduardo Galeano ??/0?/2007
"E assim foi, que São Pedro não abriu. E Fermino não rogou, nem disse nada. Ficou lá, quieto, esperando.
Muito tempo se passou e esperando está Fermino, chapéu na mão, plantado diante do umbral do Paraíso.
De seu observatório lá das profundas, Lúcifer contempla, preocupado, a situação. Lúcifer sabe o que vai ser, e resmunga:
- O pior é sempre para mim."
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008
Filme - 21/04/2007
Filme: Nós que aqui estamos por vós esperamos: histórias de pequenos e grandes personagens dos séculos XX / pesquisa, edição, produção e direção, Marcelo Masagão.
Metade e A lista - Oswaldo Montenegro 24/03/2007
Porque metade de mim é amorE a outra metade também.
Missão do bibliotecário - José Ortega y Gasset
"O dizer se compõe sobretudo de silêncios, de coisas que, por serem sabidas, se calam, ou que são completamente inefáveis e nas quais, no entanto, se apóia, como em uma terra nutriz." José Ortega Y Gasset.
A casa tomada - Julio Cortázar ??/0?/2007
"Estávamos muito bem, e pouco a pouco começamos a não pensar. Pode-se viver sem pensar." Cortázar, Julio. A casa tomada.
Tema do encontro: "O que estou escrevendo." 17/03/2007
Discutimos textos produzidos por Alexandre Daniel Noronha.
A resistência - Ernesto Sabato 03/03/2007
(...) "A história é o maior conjunto de aberrações, guerras, perseguições, torturas e injustiças, mas, ao mesmo tempo, ou por isso mesmo, milhões de homens e mulheres sacrificam-se para cuidarem dos mais desventurados. São estes que encarnam a resistência." (...). Sabato, Ernesto. A resistência.
A conversão dos judeus - Philip Roth 03/03/2007
(...) "Mamãe, você não entende - você não devia bater em mim. Ele não devia bater em mim. Você não devia bater em mim por causa de Deus, mamãe. Não se deve bater em ninguém por causa de Deus...". (...). Roth, Philip. A conversão dos judeus.

21/04/2007 Filme Nós que aqui estamos por vós esperamos: histórias de pequenos e grandes personagens do século XX
12/05/2007 Cortejo do divino Nélida Pinõn
26/05/2007 Júlio Cortázar
14/07/2007 On the road
28/07/2007 Mini contos de Kafka

"Soltando o verbo Sobre livros e leituras" 01 de junho 2007. Programa de rádio "Soltando o verbo", professora Veridiana.

1º Encontro "Livros, leituras e pessoas com deficiência" na 20º Feira do Livro de Santa Cruz do Sul. Palco na Praça Getúlio Vargas, dia 07 de junho (feriado), às 16h30min. "Iniciativa do grupo SL&L, tendo o apoio dos organizadores da Feira e de entidades santa-cruzenses vinculadas às pessoas com deficiência. Constatando-se a falta de reflexão e mesmo da preocupação com particularidades e necessidades especiais, o SL&L desencadeou uma mobilização que pudesse se desenvolver ainda durante a 20º edição da Feira. Entre as questões que deverão ser abordadas no encontro, estarão a locomoção de cadeirantes nos espaços da Feira e em bibliotecas da cidade; as possíveis interações entre literatura infantil e crianças surdas e cegas (hora do conto, teatro, atividades lúdicas, acesso a livros, etc.), a publicação de livros em braile e em sign writing (sistema de registro gráfico usado para surdos), etc.

O ato gratuito - Clarice Lispector 18/08/2007 ? 03/07/08
On the road - Jack Kerouac 14/07/2007 03/07/08
Cinco minicontos - Kafka 28/07/2007 03/07/08
On the road - Jack Kerouac 14/07/2007 02/07/08
O caminho para a liberdade - Carl Sagan 0/0/2007 02/07/08
Os mortos - James Joyce 16/06/2007 02/07/08
Eles amam livros e leituras, Riovale Jornal, Sexta... 02/07/08
Encontro reunirá pessoas com deficiência na Feira ... 02/07/08
Soltando o verbo sobre livros e leituras 01/06/200... 02/07/08
Graffiti - Julio Cortázar 26/05/2007 02/07/08
Cortejo do divino - Nélida Pinõn 12/05/2007 02/07/08
Editar Visualizar O mistério dos hippies desaparecidos - Moacyr Scli... 02/07/08
Amor com os LIVROS Gazeta do Sul, Quarta-feira, 09... 02/07/08
As palavras andantes - Eduardo Galeano ??/0?/2007... 02/07/08
Filme - 21/04/2007 02/07/08
Metade e A lista - Oswaldo Montenegro 24/03/2007 02/07/08
Missão do bibliotecário - José Ortega y Gasset 02/07/08
A casa tomada - Julio Cortázar ??/0?/2007 02/07/08
Tema do encontro: "O que estou escrevendo." 17/03... 02/07/08
A resistência - Ernesto Sabato 03/03/2007 02/07/08
A conversão dos judeus - Philip Roth 03/03/2007 02/07/08

3 de jun de 2008

Dama

Sou uma chama que escorrega como lama, buscando o ardor e a vida que conclama, proclama, quer se encontrar...

Sou um jogo, essência, ausência, um sêr que ama, saio da cama e me transformo em uma dama, paro de chorar...

Sou a voz do que clama, sou o leite de quem mama, vida profana, insana, só quer gozar...

Sou tudo e nada nesta breve jornada.

A dama esconde nos seus corações, desejos impublicáveis, vícios incontroláveis, instintos não tão amáveis e um labirinto infinito e obscuro de pontos de interrogações!!! .... ????????

Seja razoável dama! Prudência, clareza, precisão, não conseção, persuassão. Pense antes de agir, nunca tome uma decisão sem pensar....se não cairás e talvez nunca mais consigas te levantar.

Síntese entre a tese vida e a antitese morte




Escarro minha alma, vida turva. Conto as horas e o tempo a passar..., Olho para o céu vejo um guarda chuva Onde estão os sonhos para eu sonhar ? Nos livros vou buscando meu alento, na poesia encontro alegria e deixo o meu sofrimento. O escarro que eu cuspira agora quer voltar.