23 de jan de 2009

Viajando.com.br

Estou curiosa por estar no sábado!
A felicidade sempre pode ser compartilhada.

No domingo cedinho, embarco em um caminhão e vou por estas estradas do meu país.
_________________

Quinze dias depois ...
_________________

Cada vez que embarcava no metrô morríamos de rir, porque sempre optamos pela liberdade, mas inúmeras vezes tivemos que descer no Paraiso para fazer baldeação. Comentei com a Inara que escreveria um texto filosófico com os temas paraiso ou liberdade. Não estou inspirada para escrever o tal texto, só tenho o final, que é mais ou menos assim: "Descartei o paraíso, optei pela Liberdade, mas efetivamente tive que descer no Tietê".

De algum pensador do passado: 'a perda do paraíso é o processo de conhecimento do mundo'.

22 de jan de 2009

Amigo


'Você está pensando Jô! ... já está pensando'.

Sim querido amigo, estou pensando e vendo!
DENUNCIE AQUI!!!!
www.mp.rs.gov.br/infancia/pedofilia

www.hotline.org.br
www.abrapia.org.br
www.violenciasexual.org.br

www.denuncie.org.br
www.interpol.int/Public/contact.asp
www.interpol.int
www.dpf.gov.br
www.policiacivil.rj.gov.br
www.delegaciavirtual.rj.gov.br/delegacias.htm
www.delegaciavirtual.rj.gov.br
www.safernet.org.br

21 de jan de 2009

Nona sinfonia de Beethoven

"Eu sou tudo o que há, foi e será. Nenhum mortal jamais levantou meu véu.
Sonhos podem ser lindos, mas também perigosos. Às vezes, até mais lindos, por causa do perigo.
Estou abrindo a música ao feio, ao visceral. Como apreciará o divino, senão através das nossas entranhas. É aqui que Deus vive. Não na mente nem na alma. Nas entranhas, pois é onde as pessoas o sentem. Os intestinos se enrolam para o céu. As tripas atingem a iluminação antes do cérebro. Só terá a cabeça nas nuvens, com bosta nas suas botas."

A Jorce copiou partes do belíssimo filme O segredo de Beethoven.

A Nita chorou porque recordou, e se ins pirrou.

Você foi a chave da minha soltura
e a dor da minha solidão
Você foi a marca da minha bravura
e a angústia do meu coração

Você foi a luz da minha vida
e a fluidez da minha energia
Por você quiz que o mundo parasse
E eu nunca mais acordasse.

Só você me estimulou
e depois? me abandonou.
O tempo já não existe mais
A vida se tornou eterna
o pó voltou prá terra
em uma harmonia total
e eu estou livre, afinal.

20 de jan de 2009

Shri Yantra


Shri Yantra

Assisto e mergulho no mundo, quase sempre como se fosse
a primeira vez.

“Nada pode atingi-lo. Você é intocado. A mente deve chegar ao ponto de uma compreensão completa da ilusão. Ali jaz o seu estado. Nada permanece para quem compreendeu. Não há mais perda ou ganho. Não pergunte se você pode atingir a Realidade, porque você é a Realidade, então por que dizer: “Será que eu posso?” Primeiro saia do círculo. Largue tudo, uma coisa após outra, e entre fundo em seu Ser. Depois volte e esteja em tudo.” Ranjit Maharaj

18 de jan de 2009

Final de domingo com Manoel de Barros


Lamentável
em u
m final de domingo
su
postamente feliz!
um irmão, fez eu
sen
tir saudade do que nunca tive
e se
mpre quis.

Se achante
Era um caranguejo muito se achante.
Ele se achava idôneo para flor.

Passava por nossa casa

Sem nem olhar de lado.
Parece que estava montado num coche de princesa.
Ia bem devagar
Conforme o protocolo
A fim de receber aplausos.
Muito achante demais.
Nem parou para comer goiaba.
(Acho que quem anda de coche não come goiaba.)
Ia como se fosse tomar posse de deputado.
Mas o coche quebrou
E o caranguejo voltou a ser idôneo para mangue.
( Manoel de Barros - "Poemas Rupestres" )

17 de jan de 2009

a-cen-tu-a-ção.

A noite já avançava na madrugada
quando ....
deitei.

Vieram milhões de pensamentos e idéias que não sonhei
alterando meu espírito...
levantei.

Achei uma caneta e rapidamente tentando me agarras às idéias
me concentrei....
e sonhei.

E os pensamentos e idéias sumiram
exatamente os que não sonhei.

Agora não lembro se era sobre
fôrma de assar ou
forma de escrever

forma como vazio
ou vazio como forma

O quê fazer? com tanta liberdade de letras em movimento
palavras monumento
documento.

Afinal, forma
com ou sem acento?

16 de jan de 2009

A blasfêmia libertadora de Jung

"C.G. Jung num episódio narrado em suas memórias, ocorrido quando tinha 12 anos: "Num belo dia de verão do mesmo ano (1887), voltando do colégio ao meio-dia, passei pela praça da catedral. O céu estava maravilhosamente azul, o sol brilhava em toda sua luminosidade. O teto da catedral cintilava ao sol que acendia chispas nas telhas novas e brilhantes. Sentia-me deslumbrado pela beleza desse espetáculo e pensava: "O mundo é belo, a igreja é bela, e Deus, que criou tudo isso, está sentado lá no alto, no céu azul, num trono de ouro...".

Neste momento senti uma sensação de asfixia. Estava como que paralisado e me esforçava para não continuar a pensar! Está para acontecer algo de terrível. Não quero pensar nisso; não quero de maneira alguma me aproximar. Por quê? Porque se não você cometerá o maior dos pecados. Qual é o maior dos pecados? Um assassínio? Não! Não pode ser isso. O maior dos pecados é aquele que se comete contra o Espírito Santo: para o qual não há perdão.

Durante dias, Jung remoeu uma crise terrível de consciência, em que ao mesmo tempo esforçava-se para concluir aquela visão e lutava para reprimi-la, com medo de estar cometendo a mais grave das infâmias. Depois de um enorme conflito e de muitas racionalizações, ele resolveu deixar aquele pensamento proibido emergir por inteiro em sua consciência:

Reuni toda a coragem, como se fosse saltar nas chamas do Inferno e deixei o pensamento emergir: diante dos meus olhos ergue-se a bela catedral e, em cima, o céu azul. Deus está sentado em seu trono de ouro, muito alto acima do mundo e, debaixo do trono, um enorme excremento cai sobre o teto novo e colorido da igreja; esta se despedaça e os muros desabam.

Então era isto! Senti um alívio imenso e uma libertação indescritível: em lugar da danação esperada, a graça descera sobre mim e, com ela, uma felicidade indizível, como jamais conhecera." pág.79-80

TAVARES, Bráulio. O anjo exterminador. Rio de Janeiro: Rocco, 2002. 185p.

Ai ai ai ai, afinal como se diz ai, em outras línguas???

15 de jan de 2009

Globo s

O Globo lá de casa
gira no espaço vazio

O Globo da Escola
gira no espaço vazio

O Globo do meu mundo
gira gira no espaço vazio

Ai tô enjoada.

A favor do ser humano

Temos lido nos jornais os constantes ataques de Israel contra a população de Gaza. Ação bárbara que atenta contra os direitos humanos.
Sou contra todo tipo de violência, entretanto fiquei pensando... e se os palestinos tivessem as armas que tem os israelitas?
Não quero dizer que sou contra os palestinos ou contra os israelitas, só quero dizer que sou contra todo tipo de violência e a favor do ser humano....

, com todas incoerências e contradições que este trás consigo.

14 de jan de 2009

Gatos

*Su: 14 jan (18 horas atrás)

Oi JÔ, ai vai a edição final (sob a minha ótica) da releitura do poema Mário Quintana:

O GATO (**OS GATOS: meus companheiros nessa vida)

O gato chega à porta do quarto onde escrevo.
(**escrevo, leio, vejo TV...)
Entrepara...hesita...avança...
(**corre e pula no meu colo, tem sempre um comigo)
Fita-me.
(** parece querer falar...)
Fitamo-nos.
Olhos nos olhos...
Quase com terror!
(**Não!!! cheios de AMOR)
Como duas criaturas incomunicáveis e solitárias
(**Como duas criaturas de espécies diferentes mas, com comunicação total, quase telepática e nada solitárias)
Que fossem feitas cada uma por um Deus diferente.
(**Feitas pelo mesmo Deus amoroso, que fez e ama todas criaturas igualmente)Su Responder

Da minha amiga, parceria, alegria, que ama gatos e nem sei como ainda me aguenta!
Beijos Sueli Ap. Thomazine, que conheci na FURG, que se tornou presente no meu devir e que mesmo depois de anos ainda hoje me faz sorrir.

13 de jan de 2009

Acontece

Esquece o nosso amor,
vê se esquece.
Porque tudo no mundo acontece

E acontece que eu já não sei mais amar.
Vai chorar, vai sofrer, e você não merece,
Mas isso acontece.

Acontece que o meu coração ficou frio
E o nosso ninho de amor está vazio.

Se eu ainda pudesse fingir que te amo,
Ah, se eu pudesse
Mas não quero, não devo fazê-lo,
Isso não acontece.

Cartola

"te amo calada, como quem ouve uma sinfonia..." lulu santos

12 de jan de 2009

Los náufragos de la Calle de la Providencia ou El Ángel Exterminador (1962) ("O Anjo Exterminador")

http://pt.wikipedia.org/wiki/Luis_Bu%C3%B1uel

Que filme fantástico em formato clássico! abaixo a hipocrisia, abaixo os falsos moralismos, abaixo os sentimentos enganosos. Idiotas! tudo desintegra, tudo cai, tudo se desfaz, tudo é exterminado e o verniz da boa educação com o tempo poderá desgastar também, deixando à mostra a dura realidade que é ser humano...
O homem não passa de um animal que procura desesperadamente, por trás de etiquetas convencionais, ser alguém.

O enclausuramento começa com a Sonata de Paradisi, onde misteriosamente é criada uma barreira invisível, como se fosse um limiar de concreto e também neste momento começam os pequenos deslizes, as "quebras de decoro", embora não se entenda o que acontece por completo. É um filme fantásticamente logicamente subjetivo, para enganar os idiotas de plantão objetivos ...

'O acaso é o grande senhor de todas as coisas. A necessidade só vem depois. Não tem a mesma pureza. (...) As leis, os costumes, as condições históricas e sociais de uma certa evolução, de um determinado progresso, (...) tudo isso surge como uma luta quotidiana e tenaz contra o acaso. (...) Mas Deus, que tudo pode, não teria podido criar, por capricho, um mundo entregue ao acaso? Não, respondem-nos os filósofos. O acaso não pode ser uma criação de Deus, já que ele é a negação de Deus. Esses dois termos são antinômicos. Excluem-se mutuamente'. Buñuel

"L'Ange étendit sa main vers Jerusalem pour l'exterminer; mais Iohve se repentit du mal, et dit à l'Ange exterminateur de la population: Assez!" II Samuel, Cap. 24, v.16

11 de jan de 2009

O livro de cabeceira


Frases do filme "O livro de cabeceira" de
Peter Greenaway.

"Escrever é uma ocupação bastante comum, todavia é uma ocupação muito preciosa. Se a escrita não existisse, de que depressão terrível nós sofreríamos!


Trate-me como a uma página de um livro.

Tenho certeza de que há 2 coisas na vida que são de grande confiança:* os prazeres da carne e * os prazeres da literatura.
Eu tive a grande sorte de desfrutar dessas duas coisas da mesma forma.

Na época dos antigos samurais, quando prendiam os criminosos tatuavam seus crimes em seus corpos. Você é um criminoso. Merece carregar vergonha de seus atos para sempre. Mas os seus crimes não estão escritos em seu corpo. É em sua alma que eles estão escritos. Deviam estar a mostra, para todos verem como é sujo. A única verdadeira posse de um ser humano é o amor que ele possui. Tudo se acaba ou então se consome, menos o amor. A única coisa que levamos da vida é o que nós sentimos."

Music

Dégénération ?
Involução?

9 de jan de 2009

Coletânea de curtas, curtagora

Os Irmãos Williams
Gênero Animação
Diretor Ricardo Dantas
Ano 2000
Duração 11 min

Uma animação muito divertida sobre o nascimento, vida e morte repentina dos irmãos Willians, que formam um (ex) famoso grupo de pagode paulistano.

http://74.125.47.132/search?q=cache:gZ8talxd5E0J:www.portacurtas.com.br/dialogos/willians_dialogo.rtf+OS+IRM

A história real dos curtas são como se fossem um átimo! Dois em um e terminam (em média 11 minutos, 12 minutos ou até menos minutos depende do cansaço que quem os assite). O trabalho dos homens é sistemático, corriqueiro e banal (banalização da vida? banalização da morte?). Todo dia todo, tipos intrometidos fazem-nos refletir, pensar, sorrir e chorar. São curtas-metragens nacionais interessantes que vale a pena conferir.

Do filme "O mundo de Sofia"...."Aproximei-me de um homem que era considerado sábio, e pensei comigo que eu era mais sábio que ele. Ninguém sabe mais que ninguém. Mas ele acredita que sim... apesar de não saber. Eu não sei mais que ele, e tenho consciência disso. Portanto, sou mais sábio que ele."

8 de jan de 2009

A ilha desconhecida

Nasci para ser eu mesma
Não nasci para ser rica ou pobre
Vagabunda ou nobre

Nasci para ser eu mesma
Não nasci para ser casada ou solteira
Portuguesa ou brasileira

Nasci para ser eu mesma
Não nasci para o além
Nem para transitar entre o mal e o bem


Nasci para ser eu mesma
Não nasci para ser altruísta, consumista, egoísta
Ter feiúra ou Ser beleza

Nasci para ser eu mesma
Alguém pode me dizer, Quem sou?
Jorce, 2009

Sai de ti, e descobrirás!
Nita, 2000i9

6 de jan de 2009

Flor bela

"O meu mundo não é como o dos outros; quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito; uma angústia constante que nem eu mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa, sou antes uma exaltada com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que sente falta sei lá de quê..." Florbela Espanca

4 de jan de 2009

Carlos Saura Atarés

Curiosamente assisto o filme "Ana e os lobos " e constato que o diretor do filme, Carlos Saura Atarés, nasceu em 04 de janeiro de 1932, em Huesca, na Espanha. Portanto hoje é seu aniversário... Parabéns Carlos Saura Atarés!

"Não importa perder os amigos, o crédito e a fazenda.
Não importa não ter, jamais, o prazer do mundo...
e abster-se de tudo o que ele oferece

As condições de um pássaro solitário são 5:
A primeira, que vá o mais alto possível;
A segunda, que não sofra de solidão, nem que seja de sua natureza;
A terceira, que vá para os ares.
A quarta que não tenha uma cor determinada.
A quinta, que cante suavemente".

Frases pronunciadas por Fernando, personagem do filme "Ana e os lobos."

"Os ratos estão comendo as lembranças." Frase pronunciada no filme pela mãe dos três irmãos ao constatar que as roupas e objetos pessoais dos mesmos estavam sendo ruidos pelas ratazanas.

Fernando, representa a igreja católica
José representa o exército (política e poder)
Juan, representa a família, o sexo oprimido.

Os três representam instituições que violentam o povo, simbolizado por Ana. A adaptação de algumas cenas resultou na liberação (depois de um ano) desta interessante produção cinematográfica.
______________________________________________

"Eu não consigo entender como algumas pessoas dizem que a infância é a época mais feliz da vida de uma pessoa. Com certeza para mim não foi e talvez seja por isso que eu, não acredite em um paraíso infantil e nem na inocência das crianças. Lembro de minha infância como um período longo interminável e triste, cheio de medo. Medo do desconhecido. Há coisas que não consigo esquecer. Parece inacreditável como memórias possam ser tão fortes." Cría cuervos...

Outras produções de Carlos Saura Atarés:


A colméia (1969)
Ana e os lobos (1973)
A prima Angélica (1974)
Cria cuervos (1976)
Elisa, vida minha (1977)
Sangue (1981)
Carmen (1983)
Amor bruxo (1986)
Dispara! (1993)
Táxi (1996)
Tango (1998)
Goya (1999)
Salomé (2002)
O sétimo dia (2004)
Ibéria (2005)
Fados (2007)
____________________________________________
Procura-se Lobo
Ana Maria Machado
40 páginas
"Tudo começa com um anúncio de emprego que deixa muitas dúvidas. Lendo-o num jornal, um homem instruído, Manuel Lobo, candidata-se à vaga. Ocorre que o anúncio é dirigido mesmo aos bichos, porém Manuel, que entende tudo de lobos - é um deles, pelo menos no sobrenome -, acaba sendo contratado para avaliar as respostas dos candidatos."

Recordações ou histeria vazia

Mitos são sonhos públicos,
Sonhos são mitos privados.
Joseph Campbell

Queria ter as portas do meu inconsciente vazias, abertas, alargadas, escancaradas para poder escrever...Entretanto o que tenho, é uma história consciente Delles!
Quem são elles? Eu não sei, ela não sabe, ninguém explica...
Até alertaram-me para não falar delles, nem escrever no blog, pois poderia ser perigoso. Entretanto é madrugada e nesta hora, já não tenho mais medo de nada. Cá estou escrevendo...
Elles atacaram misteriosamente o consciente inconsciente Dela (minha tia). Ela já não sai mais de casa, pois sempre que se aventura a sair, elles entram e silenciosamente se instalam na antiga casa... Mexem nas louças, tiram as coisas do lugar e brincam com as lembranças pessoais dela.
O portão enferrujado é trancado, afivelado com um cadeado novo, arame farpado é colocado, óleos que sujam as mãos dificultam a entrada, mas elles não respeitam os entraves. Basta ela colocar o pé para fora, que elles colocam-se do lado de dentro. Agora ela vive confinada em sua própria casa, na grande cidade, e por enquanto elles a deixam ocupar os espaços. Temo o dia em que elles ignorarão sua presença e tomarão os aposentos, ocupando a velha casa em uma tentativa desesperada de ocupar os espaços vazios.

Minha inspiração foi Dela e Dele.