29 de jul de 2012

Pozenato

"Do meu poço enferrujado
soubeste a chave e o cadeado  (...) "
J.C.Pozenato.
não quero ouvir falar o nome
desta coisa que me consome

Epigramas do embuçado

Reprodução de "Leitor obtuso" de José Clemente Pozenato

"Que também poderá ser
se acaso pensares
que a simpleza dos versos
é simplória

ou que a ausência de flores
retóricas
e de esconsas metáforas
é impotência
ou que a falta
de jogos visuais
e processos grafescos
é esclerose.

o simples é o difícil
o moderno é a palavra."

José Clemente Pozenato

25 de jul de 2012

Vida

Passam palavras no tempo
o tempo sempre passa
as palavras permanecem

livres, soltas, leves
formando mais palavras
num fluxo infinito, enriquecem

o tempo passa
o tempo voa
a vida é breve
só as palavras acontecem

a palavra flui
a vida se dilui
ante o pó estremece
mas, uma palavra, fortalece

palavras que
enriquecem
acontecem
permanecem

Basta uma palavra,
e a gente não mais esquece,
aquiesce, se aquece
se enternece e adormece,
no tempo que permanece.

23 de jul de 2012

Vida campeira ou vida em Campina ?

Planos
planos
feitos
face a face

entre bits e bytes

Planos
desfeitos
frente ao medo
de sair do plano
e ter que voar
em outros books.

É tão seguro
ficar no casco.
Felizmente tenho amigos
que me dão a mão
e dizem :
Vem, não tenha medo
o voo nunca é seguro.

Vida campeira, vida pequena.

22 de jul de 2012

Desejo x fantasia x Vida

Encontro este trecho na internet. Sei que é parte do filme "A vida de David Gale". No início do filme, Gale, em uma aula de Filosofia, faz uma pequena fala sobre temas diversos como Lacan, fantasias, desejos, etc. Nunca levo o filme para a escola (quando trabalho temas polêmicos como Pena de Morte) porque respeito a Classificação dos filmes. Preciso assistir novamente, para xecar as informações que por ora, reproduzo.

"Entendem a idéia de Lacan: As fantasias têm de ser irreais. Porque no momento, no segundo que consegue o que quer… não quer, não pode querer mais. Para poder continuar a existir o desejo tem de ter os objetos eternamente ausentes. Vocês não querem ”algo”, querem a fantasia desse ”algo”. O desejo apóia fantasias desvairadas. Foi essa a idéia de Pascal ao dizer que somos realmente felizes quando sonhamos acordados com a felicidade futura. Daí o ditado: ”O melhor da festa é esperar por ela”. Ou: ”Cuidado com seus desejos”. Não pelo fato de conseguir o que quer, mas pelo fato de não querer mais depois de conseguir.
Então, a lição de Lacan é: Viver de desejos não traz a felicidade. O verdadeiro significado de ser humano é a luta para viver por idéias e ideais. E não medir a vida pelo que obtiveram em termos de desejos, mas pelos momentos de integridade, compaixão, racionalidade e até auto-sacrifício. Porque no final a única forma de medir o significado de nossas vidas é valorizando a vida dos outros."


Sartre

Meta a fora, obsessiva.

Ontem, estive no mesmo lugar de hoje.
Obscurecida ante uma autoridade acima da razão
Sonhando com monstros, talvez.
Nisso, J.L.Borges aparece, e me desperto
em apertos cavalgares no coração.
Trocamos poucas palavras.
Me inspiro em L. Borges, sai o Betto, entra o Lira Neto,
mas por mais que eu tente, o disco fica arranhado.

"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p. 352)
"Se uns denunciavam Getúlio como fascista, outros começaram a ver nele uma ameaça vermelha, capaz de se aliar aos comunitas para tomar o poder." (Lira Neto, p.352)


Leio, releio, transleio, interleio, multileio, intraleio e volto a ler,
mas não consigo avançar, pois já não consigo pensar.
Palavras não bastam.

No entanto o consciente, tenta ajudar a mente.
Tenho artimanhas: meus neuropeptídeos
me acodem a tempo, diante do tempo

- Ler em voz alta!, eis a solução.
Essa atitude, será meu site receptor
para desarranhar o parágrafo entravado.

Respiração ofegante, mãos na cabeça!
Olhar tenso, denso, atenção redobrada às palavras
Leio muitas palavras, palavras que a si mesmo se bastam
Pouco a pouco, passo a ouvir-me balbuciar lentamente

"Enquanto muitos em volta já falavam abertamente em revolução, fosse de direita ou de esquerda, Getúlio continuava a exibir toda a fleuma possível. Naquele mês de setembro de 1929, repetiu o rito semanal de ir a pé do palácio do governo até a Livraria do Globo, para encontrar os amigos de sempre, fumar os charutos preferidos e prosear durante horas sobre livros e literatura." (Lira Neto, p.352-353).

Não sei como sair deste círculo!
Desisto.
Quem sabe pode haver um amanhã.

Vitor Ramil encontra João Simões, no Café Aquário. Não estou em Satolep, mas porque não poderia encontrar um Borges em um refúgio literário de uma Cafeteria qualquer ?


"O virgem, o vivaz e o belo neste dia
Vai-nos ferir num golpe de asa em desvario
Rijo lago esquecido sob o orvalho frio
O gelo transparente em vôos sem mais via!

Um cisne de outros tempos lembra que seria
Ele, magnífico sem fé que se evadiu
Por não haver cantado a terra onde existiu
Quando o tédio do inverno estéril reluzia.

Todo o seu colo agita o branco frenesi
Por esse espaço imposto ao pássaro que a si
O nega, horror ao solo; as plumas sem saída.

O fantasama , que ali seu puro albor designa,
Imóvel, gélida quimera escarnecida,
Que veste o Cisne o inútil exílio do Signo."

Mallarmé, Stéphane. Poemas.

19 de jul de 2012

NETO, Lira. Getúlio: dos anos de formação à conquista do poder (1882-1930)

"Na vida pública todo homem se vende, depende do que é oferecido como moeda", admitiu. "Vamos apoiar, mas isso tem um preço." p. 323.

Assis Brasil, setenciara em seu livro "A democracia representativa" o seguinte: "Politicamente, é imoralidade reunirem-se indivíduos de credos diferentes, com o fim de conquistar o poder, repartindo depois, como causa vil, o objeto da cobiçada vitória." p. 328-329

No entanto cinco folhas datilografadas, abrandariam as velhas rixas entre republicanos e libertadores.


Lá pelo meio do livro, na pág. 332 lê-se o que segue: "aquele símio baiano" ou "correu como um avestruz". Explico: Na busca por um companheiro de chapa para Getúlio Vargas (após a tentativa frustrada de Paulo de Frontin - RJ), abordou-se o então deputado federal, Ernesto Simões Lopes, líder da bancada baiana na Câmara e fundador do jornal A Tarde, de Salvador. O referido repeliu a proposta e bateu boca com Neves.
"Se o Vilaboim não me barra a passagem, creio que teria segurado os fiapos da barba do célebre Simões Filho", relatou João Neves a Getúlio." referindo-se depois ao oponente com exemplos metafóricos zoológicos.

NETO, Lira. Getúlio: dos anos de formação à conquista do poder (1882-1930). 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 629 p.

14 de jul de 2012

Acreditando no impossível.

"Queria ser o livro que em tuas mãos folheias, levando os dedos levemente aos lábios e molhando-o com sua saliva, para virar a página do avesso..., indelevelmente, com o ardor de uma paixão indescritível, com sofreguidão intraduzível, ante o desejo lascivo e ardente da próxima palavra escrita." Jorce.
Robert Crumb: Gênesis
Tim LaHaye & Jerry Jenkins: A Marca
Fonte: http://www.evenancio.com/2010/05/livros.html EvAnDrO vEnAnCiO Vs Pensamento Fabricado - A Batalha Final

11 de jul de 2012

Choro inconsciente

Certa vez, fiquei na dúvida, se tinha ouvido:
Acorda!!!!
ou A corda.
Então resolvi acordar para a vida.


Fiz um acordo comigo
de não me apavorar
Fui confiante ao bloco
para me anestesiar

Horas depois acordei chorando
ante um anestesista enternecido

pensei (...)

'Nada é eliminado no inconsciente,
nada é superado ou esquecido'.

A arte sobrevive como uma significativa experiência humana.

5 de jul de 2012