17 de jun de 2009

Óh como eu queria !

"Silêncio, Nostalgia... Silêncio, nostalgia... Hora morta, desfolhada, sem dor, sem alegria, pelo tempo abandonada. Luz de Outono, fria, fria... Hora inútil e sombria de abandono. Não sei se é tédio, sono, silêncio ou nostalgia. Interminável dia de indizíveis cansaços, de funda melancolia. Sem rumo para os meus passos, para que servem meus braços, nesta hora fria, fria?"
Fernanda de Castro, in "Trinta e Nove Poemas"
1 comentário

Exatamente nesta noite,
nesta noite fria, fria ...
pensei prá que servem meus abraços
se não tenho quem eu mais queria!

Então encontro esta postagem,
falando de nostalgia
e do silêncio que me persegue
e da saudade de noite e de dia

É TPM! grito eu, do fundo da minha agonia
para justificar o que sinto por não tê-lo
por não vê-lo, justamente quem eu mais queria

***

Óh! como queria
ser o ar que tu respiras

Ah! como queria
ser o vento que aspiras

Hum, como queria
ser o germe que te mina

prá ninar e misturar-me
com o suor da tua lida
misturar-me em teus sentimentos
em teu pensamento
e num momento ir bem fundo,
lá no fundo das nossas vidas,
antes de receber na cara
a primeira pá de terra fria.

Óhóhóh como eu queria!
__________________________
É 'Mina'!
+ vais ficar só no,
Hóóóó como eu queria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário