27 de nov de 2009

Cenas da vida na aldeia

Amós Oz
Os que herdam
"O estranho não lhe era estranho. Alguma coisa em sua aparência repeliu e ao mesmo tempo atraiu Arie Tselnik desde o primeiro olhar, se é que aquele era o primeiro olhar."
Os que cavam
O ex-deputado Pessach Kedem era um velho corcunda, alto, irascível e vingativo...tendinoso, nodoso, só não diz se era p r e c o n c e i t u o s o.
Amaldiçoava, xingava, insultava ... nunca perdoou, nada esqueceu. "Ele achava que agora, nestes nossos tempos, chegara uma época na qual todas as intenções dos homens são egoistas e até um tanto suspeitas. Já estavam longe os dias nos quais os homens, pelo menos alguns deles, pelo menos aqui ou acolá, ainda amavam e estimavam uns aos outros sem pensar em contas a ajustar. Nestes novos tempos, todos, sem exceção - assim o velho repetia vezes sem fim a sua filha -, todos vivem armando golpes. Hoje todo mundo só procura um meio de arrebatar algumas migalhas da mesa do próximo (...). Tudo hoje se faz calculada e intencionalmente, e na maioria das vezes é com intenção desprezível."
Os que são estranhos
"E a distância da comiseração ao amor é como a distância da lua à poça que a reflete."
"...a vida só tem sentido se é dedicada a algum ideal ou sentimento em torno dos quais tudo gira. Sem ideal ou sentimento a vida seria vazia e insossa, e ele não teria interesse em vivê-la."
Os que cantam ...

Um comentário:

  1. Oi Jô,
    eu li "Nas profundezas do bosque", do Amóz. Uma história bem simples e bonita, que trata do preconceito com as pessoas diferentes, em linguagem muito simples, que vai direto ao coração.
    Abraço!

    ResponderExcluir