21 de jan de 2009

Nona sinfonia de Beethoven

"Eu sou tudo o que há, foi e será. Nenhum mortal jamais levantou meu véu.
Sonhos podem ser lindos, mas também perigosos. Às vezes, até mais lindos, por causa do perigo.
Estou abrindo a música ao feio, ao visceral. Como apreciará o divino, senão através das nossas entranhas. É aqui que Deus vive. Não na mente nem na alma. Nas entranhas, pois é onde as pessoas o sentem. Os intestinos se enrolam para o céu. As tripas atingem a iluminação antes do cérebro. Só terá a cabeça nas nuvens, com bosta nas suas botas."

A Jorce copiou partes do belíssimo filme O segredo de Beethoven.

A Nita chorou porque recordou, e se ins pirrou.

Você foi a chave da minha soltura
e a dor da minha solidão
Você foi a marca da minha bravura
e a angústia do meu coração

Você foi a luz da minha vida
e a fluidez da minha energia
Por você quiz que o mundo parasse
E eu nunca mais acordasse.

Só você me estimulou
e depois? me abandonou.
O tempo já não existe mais
A vida se tornou eterna
o pó voltou prá terra
em uma harmonia total
e eu estou livre, afinal.

Um comentário:

  1. Bah, Jo, que tri esse escrito da 9ª sinfonia do Beethoven, parabéns!!!

    ResponderExcluir