29 de ago de 2008

Jô falando em Jó

"Jó e seus amigos", de Gustave Doré


Depois de uma tragédia grega, por que não uma tragédia ou drama bíblico?

"Um varão, que na terra d'Hus havia
Por nome Jó, do mal se retirava,
Simples e reto, porque a Deus temia."
José Elói Ottoni

blábláblá "Por que sofrem os justos, se Deus é um Deus de amor e misericórdia?"
Ei! alguém viu um justo por aí????????????????????????????????????????????

Jó se arrepende de ter falado coisas das quais não conhecia, se arrepende de seu orgulho e encontra contentamento em saber que desfruta da comunhão com Deus. A lição do livro de Jó talvez possa ser: Se conhecemos a Deus, não precisamos saber porque Ele nos permite passar pelo que passamos, pois ele controla o universo e nossas vidas. Embora seus caminhos, estejam por vezes, além da nossa compreensão....

Jó considerava Deus um ser moral, entretanto, reconheceu a natureza antinômica de Deus - O poder de Deus ultrapassa o direito - Jó viu o semblante de Deus e sua dualidade insconsciente. Moralmente Jó se achava em uma posição maior que a de Javé. A criatura sobrebujando o criador, o insconsciente sobre o consciente. A exaltação e a inquietação. O orgulho e a humildade. Jó anseia pela sabedoria, mas esta é impossível encontrar...."Mas a sabedoria, onde é que se encontra?" Jó 28:12

Minha conclusão é que : A insconsciência divina da Nita é repelida pelo direito humano consciente da Jorce, e fortalecida pelo potencial insconsciente da oração consciente.

___________________________________________
"Estende o homem a mão contra o rochedo e revolve os montes desde as suas raízes. Abre canais nas pedras, e os seus olhos vêem tudo o que há de mais precioso. Tapa os veios de água, e nem uma gota sai deles, e traz à luz o que estava escondido. Mas onde se achará a sabedoria? E onde está o lugar do entendimento? O homem não conhece o valor dela, nem se acha ela na terra dos viventes. O abismo diz: Ela não está em mim; e o mar diz: Não está comigo. Não se dá por ela ouro fino, nem se pesa prata em câmbio dela. O seu valor não se pode avaliar pelo ouro de Ofir, nem pelo precioso ônix, nem pela safira. O ouro não se iguala a ela, nem o cristal; ela não se trocará por jóia de ouro fino; ela faz esquecer o coral e o cristal; a aquisição da sabedoria é melhor que a das pérolas. Não se lhe igualará o topázio da Etiópia, nem se pode avaliar por ouro puro. Donde, pois, vem a sabedoria, e onde está o lugar do entendimento? (...)O temor do Senhor é a sabedoria, e apartar-se do mal é o entendimento".
JÓ Capítulo 28 - Um discurso sobre a sabedoria.

_______________________________________________________

Hááá lembrei-me da minha infância
Quando inda bem criança
No domingo ao culto ia
E sobre o livro de Jó se discorria

E das palavras que sempre ouvia
Uma inda ‘re-vive’
“Porque eu sei que meu Redentor vive!”

No entanto o que me inquietava
É quando Jó após perder sua fortuna
Exclama em tom de gratidão
Algo que em mim se fixou:


Nú saí do ventre de minha mãe
Nú voltarei para lá
O Senhor me deu
E o Senhor me tirou!

Bendito seja o Nome do Senhor!
E nem neste momento Jó pecou.

Hummm... faz pensar né?
Sócrates nos mercados de Atenas, deitava a cabeça e observava
Quando o comerciante: “- O que vc quer”? Lhe indagava.
Sócrates respondia, não sem antes bem ver.
Estou olhando quanta coisa inútil não preciso pra viver!


A Nita volta a pensar: “Nú saí do ventre de minha mãe, Nú voltarei para lá”.

_______________________________________________________
Há e por falar eudez, ...!

Nenhum comentário:

Postar um comentário