24 de dez de 2008

O violino de Rothschild


"Por que é que o homem não pode viver de modo a evitar as perdas e os prejuízos? Por que todo mundo faz sempre precisamente o que não deve fazer? Por que as pessoas, em geral, impedem de viver uma às outras? Que prejuízos extraordinários! Se não existissem o ódio e a malícia, os homens tirariam uns dos outros proveitos enormes.
Iakov saiu de sua isbá e sentou-se na soleira, cerrando o violino contra o coração. Pensando em sua vida passada em vão, tocou, tocou sem saber o quê; entretanto, o que tocava era triste e comovente; e pelas suas faces as lágrimas correram. E quanto mais ele pensava, mais tristemente cantava o violino".
Tchekov. O Violino de Rothschild.
_____________________________________

As pessoas ainda hoje ouvem esta música e sempre que a ouvem exclamam em um torturante êxtase: Vakh!
Chorando e sorrindo, se alegram na tristeza, chorando de alegria! E o violino continuará tocando sempre. Os ouvintes não compreenderão o violino, não saberão o porquê, a música não terá sentido aparente, mas sempre será reconfortante e comovente, porque soará não aos ouvidos, mas ao coração, e o rosto infeliz e esperançoso do nosso irmão, em êxtase, exclamará: Vakh!
_________________Vakh! exclamação de contentamento, em oposição a um outra, de tristeza, muito famosa, dos israelitas russos____________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário