24 de fev de 2009

"Do oco para o vazio" F.D.

"O resultado direto e legal da consciência é a inércia, i.é, o ato de ficar conscientemente sentado de braços cruzados (...). Faço exercício mental e, por conseguinte, em mim, cada causa primeira arrasta imediatamente atrás de si outra, ainda anterior, e assim por diante, até o infinito. Tal é, de fato, a essência de toda consciência, do próprio ato de pensar". p.29-30
"O homem, seja ele quem for, sempre e em toda parte gostou de agir a seu bel-prazer e nunca segundo lhe ordenam a razão e o interesse." p.39
"Exitem no mundo as leis da natureza, de modo que tudo o que ele faz não acontece por sua vontade, mas espontaneamente, de acordo com as leis da natureza." p. 37
-E a minha liberdade de escolhaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!????????
"Do quê depende as nossas vontades? As nossas vontades são, na maior parte, equívocos devidos a uma concepção errada sobre as nossas vantagens.
Se queremos às vezes um absurdo completo, é pq. vemos nesse absurdo, devido a nossa estupidez, o caminho mais fácil para atingier alguma vantagem previamente suposta." p. 40
"Se a vontade se combinar um dia completamente com a razão, passaremos a raciocinar em vez de desejar." Iupiiiiii.

"Como foram poucas, tão poucas", pensava eu de passagem, "as palavras necessárias, quão pouco idílio (e idílio falso, livresco, inventado), para revirar no mesmo instante toda uma alma humana ao jeito que se queria. Isto é que é virginidade! Isto é que é um solo intocado!". p.126

"Queria tranquilidade, ficar sozinho no subsolo." p. 142

"O que é melhor, uma felicidade barata ou um sofrimento elevado?
Vamos, o que é melhor?" p. 145

"Por Deus que não é interessante: um romance precisa de herói e, no caso, foram acumulados intencionalmente todos os traços de um anti-herói, e, principalmente, tudo isso dará uma impressão extremamente desagradável, porque todos nós estávamos desacostumados da vida, todos capengamos, uns mais, outros menos." p. 146

Nenhum comentário:

Postar um comentário